into the ocean

eu adoro praia.
não nasci e nunca morei em cidade litorânea.
mas sabe quando você sente que seu lugar é lá?
que você pertence àquilo?
pois é.
eu sou assim com a praia.

uma coisa que sempre fiz [e sempre deu certo] era prolongar o tempo que eu ficava dentro d’água.
primeiro, que há uma tradição com a praia.
a gente chega, passa um pingo de protetor solar no ombro [só pras mulheres não ficarem reclamando] e vai pra água.
fica lá umas 2h, volta pra areia pra tomar uma água mineral ou água de côco [pra tirar o sal da boca], voltar pra água e ficar mais 1h.
depois dessa 1h, volta-se à areia para comer alguma coisa.
geralmente petisco de peixe que já pediram, queijo coalho que passam vendendo e a cerveja gelada básica.
é comer um pouco de tudo e deitar um pouco o sol, pra descansar e tirar um cochilo, com aquele barulhinho das ondas ao fundo.
quando não dá mais pra agüentar ficar no sol, é hora de voltar pra água e só sair de lá na hora de ir embora.

hoje em dia não faço mais isso [que vou contar], mas foi uma tática que utilizei durante muito tempo na minha vida.
e funcionou.
quando eu percebia a movimentação dos meus pais e tios na areia para ir embora, eu simplesmente fingia que não via.
ficava de costas para a areia, só olhando para o mar e se pegava alguma onda, ao sair dela, já ficava de costas novamente.
nessa brincadeira, ganhava uns 15 minutos a mais na água.
porque ninguém queria mais entrar na água pra me chamar.
gritar da praia não adiantaria, porque eu não ouviria.
e se ouvisse, fingiria que não estava ouvindo, lógico.
pais, se vocês lerem isso, desculpem-me.
mas foi para o meu bem.
quanto mais tempo no mar, melhor para mim!
😉

a primeira vez que entrei no mar, tinha 5 meses.
e a primeira lembrança que tenho com o mar é de não querer sair de lá.
minha mãe conta que quando eu decidi parar de usar chupeta, eu fui até à beira do mar e joguei a chupeta no oceano.
a cena é bonita, mas hoje seria inaceitável, considerando o movimento de preservação do meio-ambiente.
mas nos anos 80, me pareceu legal.
não posso afirmar, mas talvez tenha jogado-a no mar, pois ao mesmo tempo que as ondas trazem de volta aquilo que jogamos, também algumas outras coisas se perdem.
deixei a decisão pro mar.
nunca mais voltei a ver a minha chupeta.
se era assim que ele queria, assim foi.

Anúncios

Uma resposta para “into the ocean

  1. Meu pai comentou comigo dessa história então precisava entrar aqui e ler…e ficar imaginando vc pequenininho de frente pro mar, com aquela barriguinha típica de criança, os pés sendo molhados pelas ondas e vc se despedindo da sua chupeta…hahahaha
    muito bom!
    vc é um excelente escritor!!

    bjo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s