Death Cab for Cutie no iPod

A primeira vez que tive contato com a expressão ‘pleasure delayer’ [retardador de prazer] foi no filme Vanilla Sky. Não existe uma definição. Mas o nome é um pouco autoexplicativo. [Desculpe, sou jornalista e preciso treinar essa (já famigerada) reforma ortográfica. Aliás, já falei o quanto gosto dessa palavra, né? ‘Famigerado’. Um dia, quando tiver conteúdo suficiente, escrevo um texto sobre ela]. Enfim, é alguém que deixa o prazer para depois, mas não por preguiça ou por não estar afim no momento. É simplesmente uma técnica para saborear os momentos aos poucos.

Exemplo: alguém lembrou de você e te comprou uma trufa de Nutella [sim, elas existem]. Você a recebe de manhã. Se você for um retardador de prazer, não a comerá na hora. O mínimo será deixá-la para depois do almoço, como sobremesa. Mas os pleasure delayers puristas não a comerão nem depois do jantar! Ela será guardada para aquele dia especial. Não em um domingo qualquer. Mas um dia realmente especial. Pode ser que fique guardada até o Outono, para ser apreciada [ela não é simplesmente comida] em um dia de friozinho, final de tarde, as folhas caindo e o céu laranja.

A trufa é um exemplo. Existe quem faça isso com relacionamentos, por exemplo. Conhecer alguém e, mesmo que à primeira vista role uma química que nem a Química explique, não dar nem um selinho na hora de se despedir. Nem falar, claramente, sobre o momento. Apenas insinuações. Indiretas reais. Para quando você estiver no ônibus de volta para casa, ouvindo Death Cab for Cutie no iPod, não saber direito se aquilo realmente existiu ou se foi coisa da sua imaginação. Os retardadores de prazer curtirão essa sensação ao máximo! E então… em uma noite, uma tarde ou uma manhã… poderia levar meses para acontecer.

Quando assisti Vanilla Sky e vi isso sobre ‘delay your pleasure’ [atrase seu prazer], de certa forma, me encantou. Porque eu nunca fui assim. Se eu ganhar uma trufa de Nutella o “Obrigado” será já mastigando um pedaço dela. E retardar os prazeres me pareceu algo muito bonito. De apreciar cada momento e perceber o quão especiais eles são. Por isso, passei a me esforçar para ser assim. Tentava ‘esticar’ o momento, ser mais indireto e fazer o ‘joguinho’. Mas rapaz, como eu sofria. Era praticamente contra a minha essência. Foi bom para aprender a não sofrer tanto quando as coisas não acontecessem imediatamente. Aprender a ser paciente, menos angustiado e ansioso. Minha história com Carolina tem um pouco disso e foi muito divertido. Mas tentar ser assim sempre, com tudo, era sofrimento demais.

Um dia descobri [e decidi] que não queria mais ser assim. Não adiantava sofrer por algo que eu achava que poderia ser melhor do que eu era. É aquela fase em que você para um pouco de lutar contra quem você é e aprende a lidar com seu jeito de ser. Vi também os benefícios que isso trazia. Sei de casos onde a pessoa ganhou, por exemplo, uma caixa de Alpino e queria tanto saboreá-los ao longo dos meses que eles um dia simplesmente mofaram. E não foi por esquecê-los no fundo da gaveta. Todo dia a pessoa olhava para eles e pensava: “Nossa, que maravilha esses Alpinos. Meus chocolates preferidos! Acho que vou comer um agora… ou não? Melhor não. Melhor deixar para um dia mais especial”. Certeza que dias especiais essa pessoa teve, mas não tantos, talvez, como gostaria. Porque os bombons simplesmente mofaram.

Eu não suporto emails com Power Point. Daqueles em que contam uma historinha, ou querem passar alguma lição de vida. Mas, invariavelmente, eu leio alguns. Na esperança de que algum dia um desses será, realmente, importante e acrescentará alguma coisa na minha vida. Pois bem, esse dia chegou [faz um tempinho já]. Abri despretenciosamente o Power Point e ele não havia música. Um ponto positivo, logo de cara. E a apresentação começava falando de um homem abrindo a gaveta de sua mulher e tirando um embrulho de dentro dela. Nele havia um vestido, que a mulher havia comprado para poder usá-lo em uma ocasião especial. Mas esse homem estava justamente tirando o vestido do embrulho para poder enterrá-la [calma, vai ter um sentido]. O texto então discorria sobre o fato de deixarmos perfumes e roupas, por exemplo, para momentos especiais. Como aquele perfume que você mais gosta, não utilizá-lo no dia a dia, só porque ele é especial. Eu tinha um perfume desse. Acabou outro dia, justamente depois de ter lido esse email. Justamente porque pensei que eu poderia simplesmente não estar vivo no dia seguinte e ficaria um vidro de perfume em cima da estante, pela metade. Meio cheio ou meio vazio, tanto faz. O fato é que eu teria me privado de algo que eu gostaria de ter feito apenas porque segunda-feira não era um dia especial de usar o perfume. [Recentemente experimentei um dia como se fosse o último. Está publicado aqui.]

Como disse, foi o primeiro email com Power Point que realmente me fez parar para pensar em seu conteúdo. À partir desse dia voltei um pouco ao que eu era. O perfume terminou por causa disso. Quando tinha vontade de usá-lo, não me negava. Não precisava esperar o dia especial chegar para usar o perfume, mas ele se transformava em especial por causa do perfume. É como o caso da trufa. Não é preciso esperar chegar o dia especial de comer trufas. O fato de você ter sido lembrado por alguém que te comprou uma trufa de Nutella já faz daquele dia algo muito especial. E, para celebrá-lo, nada melhor do que brindar com a trufa recebida.

A vantagem é que, dessa forma, cada pequeno acontecimento do seu dia é uma [grande] oportunidade para torná-lo especial. As possibilidades para você viver mais dias especiais estão sendo dadas – de presente, de graça – a todo instante. A grande chance é que você não precisa mais esperar o seu dia especial chegar. Ele está latente e potencialmente possível, diariamente. Não precisa esperá-lo chegar. Depende apenas de você ‘acioná-lo’. Ele está aqui já. Hoje. Abra los ojos.

___________________________

UPDATE: O texto foi baseado após uma conversa com a Sabine. O que quis dizer com o texto [sem dizer no texto] é que há uma arte em se viver. Seja retardando os prazeres, seja vivendo-os na hora em que são entregues. O texto não é uma ideia para combater a dela. Muito menos a ideia dela combate a minha. Esse só é o melhor jeito que aprendi pra viver, com as minhas características já incorporadas ao que sou. O meu melhor não é, necessariamente, o seu melhor. A graça na vida é poder aprender novas artes e agregar à sua própria arte de viver. Se a sua ideia for essa, seja benvindo[a].

Anúncios

10 Respostas para “Death Cab for Cutie no iPod

  1. Eu não tenho essa capacidade de adiar os prazeres. E ficando na metafora do vestido, eu sou a pessoa que prefere usa-lo e fazer disso uma ocasião especial do que o contrário.

    Acontece que as vezes, voluntariamente ou não, eu parcelo os grandes eventos em pequenos momentos com intervalo de horas, de dias. E as borboletas rebeldes do meu estomago me surram durantes estes intervalos. Enquanto eu não puder doma-las, vai ser complicado ter coragem de atrasar qualquer coisa.

  2. eu já bati de frente com sabine muita vezes nessa questão. chocolates de meses, anos, ficaram moles, mofados. o mais gostoso do prato de almoço sempre fica no final, e eu sempre finjo que vou roubar.

    mas o pleasure delayer, assim como ela mostrou, tem um significado especial. de quem tranforma momentos simples em momentos, no mínimo, marcantes.

  3. jess – você vive uma dicotomia angustiante, então, né? bem-vinda. rs.

    augusto – exatamente o que conversei com ela. há as vantagens [e desvantagens] em cada estilo de ser. acho que o equilíbrio seria o mais proveitoso. aproveitar a vantagem de retardar, na hora certa e aproveitar a vantagem de não deixar para depois, na hora certa tbm. o problema é que a gente [eu] nunca consegue…

  4. Eu parei de prestar atenção no seu texto depois de ler “trufa de nutella”. Eu li até o fim, mas só pensava na famigerada “trufa de nutella”.

  5. Lou,

    – Para mim, é fácil não comer aquele bombom hoje ou semana que vem, mas guardá-lo para o dia que eu julgar “doce o bastante”;
    – É normal comprar um livro, DVD ou aquele vestido romântico só para deixá-lo guardado pelo tempo que for, esperando “o dia certo”;
    – É espontâneo seduzir pelo olhar, depois por sorrisos e toques delicados e conduzir a situação por dias, semanas ou meses até que o beijo aconteça e seja perfeito.

    Eu consigo tirar o máximo proveito de qualquer coisa só por experimentá-las em doses homeopáticas. Não acho que aproveito ou vivo menos por isso. Como não penso que meu último passo será aquele que me fará virar a esquina, vivo o agora com a mesma intensidade com que planejo o depois. Cada um com seu jeito, texturas e sabores diferentes.

    Porém, eu entendo que adiar tanto pode me fazer perder algumas coisas, mas como eu disse, não é algo que eu treine para ser.
    Sou, simplesmente. Não tem jeito. 😉

    P.S.: eram Ferrero Rocher. Eu podia deixar disfarçado, mas vai que alguém decide me presentear, né? 😛

  6. eu me encanto com textos/livros/frases que dizem tudo aquilo que está no ar e ninguém ainda traduziu em palavras.

    nunca parei para pensar nisso, mas, agora que teu texto me provocou, assumo que sou um não-‘pleasure delayer’ perdido. momentos sempre merecem ser aproveitados ao máximo até o último segundo, “como se não houvesse amanhã”.

    eu também li esse PPT sobre o tal vestido esquecido na gaveta e acho que isso moldou essa parte da minha personalidade a ferro e fogo.

    mas é como você disse… “o meu melhor não é, necessariamente, o seu melhor.”

    grande abraço!

  7. 1) preciso te contar que hoje ganhei um bombom caseiro de cupuaçu e o comi na mesma hora. Foi diferente, mas super gostoso.

    2) E eu também sou [só um pouquinho] competitiva [vide o post “me” da vivs].
    😛

  8. adorei. tudo lindo! 🙂 que bom que existe o especial em cada um… e em cada segundo de vida

  9. Sou um retardador de prazer em relacionamentos.. só me arrombo pq as meninas axam q sou envergonhado..

  10. Tempos depois, mas tive vontade de comentar.

    E contar pra quem não é “retardador de prazer” que essas coisas acontecem naturalmente, não é contra minha natureza aproveitar aos poucos, é natural e excitante.

    É simples. É como eu gosto : )

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s