How I wish…

Para ler ouvindo Wish You Were Here – Pink Floyd.

Eu chego e ainda não há nada aberto. Apenas algumas poucas janelas, onde as faxineiras começam o dia batendo o tapete na varanda e estendendo-os para tomar sol. Algumas crianças passeiam dentro de seus carrinhos, sem ninguém buzinando ou pedindo passagem.

O dia passa. Passam os desenhos da manhã, Ana Maria Braga, programas esportivos na hora do almoço, Jornal Hoje, Sessão da Tarde e Sônia Abrão. O Datena berra que a polícia tem mesmo que invadir Paraisópolis, porque onde já se viu? Não, eu não vi. Não vi que choveu, não vi o sol que fez, não vi o céu cor de rosa quando o astro-rei se pôs.

Não vejo as faxineiras saindo cansadas dos pequenos prédios do bairro. Não vejo o trânsito, muito menos a cidade parada. Não sei o que comentaram no ônibus, o que discutiram no bar ou do que deram risada na hora da janta. Não sei quanto foi o jogo, muito menos quem jogou. Não ouço histórias para contar. Não ouço canções para lembrar. Não leio textos para inspirar. Eu vou embora e já está tudo fechado. Eu chego só e sozinho vou embora, sem a cidade para me acompanhar.

E para poder parecer que um dia isso vai acabar, escrevo. Enquanto isso, ouço o Pink Floyd dizer como ele gostaria que você estivesse aqui. Volto do café cheirando à cigarro. De vez em quando gosto desse cheiro da fumaça levemente impregnada na minha camiseta e no meu corpo. Nem sequer encostei os dedos em um cigarro, mas eles parecem velhos conhecidos, do tipo inseparável. Não sinto vontade fumar – não dessa vez – mas o cheiro do cigarro em mim me agrada.

Instantaneamente me lembra você. Logo você que, assim como eu, não suporta esse cheiro. Me surpreendo o quanto consigo chegar em casa de um show e tão logo tirar a roupa, estendê-la no varal, por não suportar o cheiro do cigarro nelas, mas em outro momento, como esse, me sentir confortável exalando o mesmo cheiro. Conforto mesmo. Como se eu estivesse colocando a cabeça no meu travesseiro, colado ao seu.

Talvez seja o cansaço. Talvez ele faça com que tudo ao nosso redor pareça aconchegante. E eu só consigo pensar em como gostaria de estar com você. Aí. Eu vou embora e já está tudo fechado… inclusive, e principalmente, seus olhos. How I wish I was there.

Anúncios

5 Respostas para “How I wish…

  1. Não tô (mais) nessa fase, mas te entendo demais. É foda…

  2. Gosto muito de suas crônicas…. Coincidência que ontem mesmo eu tava ouvindo e pensando o quanto essa música é forte… Parabéns!

  3. Wish You Were Here foi a música que me fez gostar de Pink Floyd.

    Todo dia eu vou embora sentindo falta de alguém que eu nem nunca vi. Dá pra entender?

  4. Muito bom.. quase me fez chorar (digo quase pq sou durona.. rs)…. te identifico mas não te reconheço, achu q eh pq quase naum te conheço.. rs…

  5. muito bom… senti algo bom e estranho ao ler.. de certa forma te identifico, mas não te reconheço, será que é pq quase não te conheço? a rima não foi intencional… esse eh meu garoto.. tem futuro.. hehehe

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s