Sobre jornalismo e afins

Tinha uma baita texto preparado sobre jornalismo, diploma, assessorias e afins. Obviamente era mais do mesmo, então só duas considerações a fazer:

1 – No meu texto sobre assessorias a minha crítica é ao modus operandi delas e não às assessorias em si. Critico o assessor ter que mendigar para o jornalista publicar algo que o cliente pediu e critico o muro que se levanta em torno do cliente quando ele faz alguma cagada e quer se ‘proteger’ dos jornalistas.

2 – Posto isso, ia falar sobre a história de não ser mais obrigatório ter diploma em Comunicação Social/Jornalismo para exercer a função de jornalista. Vou resumir: pegue dois exemplos. Um deles, Clóvis Rossi [colunista e repórter da Folha de S.Paulo], excelente jornalista. Se ele tem diploma ou não, não faz diferença. Ele é bom no que faz e faz bem feito.

Agora pegue Galvão Bueno. Não sei se pra ser narrador é obrigatório ter o DRT [registro para profissionais de rádio e TV poderem trabalhar], mas também não faz diferença se o Galvão tem o DRT ou não. Ele é ruim no que faz. É tendencioso, mais opina do que informa, é teimoso e quando alia sua ignorância – como em questões físicas – a tudo isso, dá-me vergonha alheia. Exemplifico com esse vídeo. Outro exemplo é dele, no jogo de hoje de Brasil x EUA, questionar o motivo da Fifa indicar que o primeiro gol do Brasil foi aos 7 minutos, quando, na verdade, foi feito aos 6 minutos e 20 segundos. Basta assistir a um jogo do campeonato europeu e saberá que é assim que marcam.

Ou seja, com ou sem diploma, o cabra tem que ser bom. De resto, desde a minha época de faculdade acreditava que o curso deveria ser técnico de dois anos. Aprender a mexer com rádio e TV, estudar umas matérias como Teorias da Comunicação, História do Jornalismo e Semiótica. Depois, fazer mais dois anos do que desse na telha, como Cinema, História da Arte, Filosofia, Geografia, Ciências Políticas e/ou Sociais… e ser feliz.

Anúncios

2 Respostas para “Sobre jornalismo e afins

  1. Pingback: Um recado às assessorias « Crônico

  2. Pois é, a discussão real deveria ser pela reforma do ensino de jornalismo.

    Na faculdade, o curso é a maior enrolação, com matérias que estão lá só para cumprir tabela. Mas não dá para negar que, sim, é preciso de uma formação (ou um “treino”, por assim dizer) específico.

    Para mim, jornalismo deveria ser uma especialização. Você se forma no que quiser e, depois, faz um curso de 2 anos para aprender a escrever sobre o que estudou (ou sobre outras coisas!). Aí, quem sabe a gente começa a ter jornalista científico que realmente entende de ciência, jornalista econômico que realmente entende de economia…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s