Escrever o que?

Na verdade, a pergunta é: o que interessa ler? Na entrevista que demos ao Alexandre Matias, ele comentou que talvez fosse falar demais sobre a própria vida, como se isso interessasse a alguém. E ele tem razão. Seria presunçoso acharmos que nossas vidas interessam a leitura de quem não nos conhece (e até de quem nos conhece, em muitos casos).

Esse é um assunto que me aflige (exagero) desde os tempos de faculdade. Formado em jornalismo, antes de ingressar a universidade, achava que a profissão prestava um serviço à sociedade, levando a ela a informação que o ‘sistema’ não quer que saibam. Vários enganos em apenas uma frase, mas ainda não sei o que interessa escrever, a todos. Existe um assunto inerente a todos, do interesse de toda a população, não interessando sua classe social, religião e tudo o mais?

Dizem que a história é a versão dos vencedores. Só aí já dá para duvidarmos de uma porrada de coisa. Mas no meu universo, menor, vale falar sobre o que? Há níveis de importância dos assuntos, mas e se precisasse definir apenas um? Acho que nossas vidas, aqui compartilhadas, talvez não estivessem.
Mas busco não levar a vida tão a sério também. Tenho aprendido a escolher o que ler. Durante o cursinho, faculdade e pouco tempo depois de formado, fiquei frenético em saber de tudo, procurando ler, no mínimo, dois jornais (inteiros) por dia. Ajudou quando trabalhei em uma assessoria de imprensa, já que tinha uns cinco periódicos diferentes à disposição.

O movimento tem sido de diminuir o ritmo, em diversas áreas da vida. Com isso, tenho me sentido menos desesperado em saber das coisas. Fica mais difícil ainda quando se é jornalista, já que, teoricamente, esperam que saibamos de tudo que acontece no mundo.

A busca por saber o que vale ler (ou escrever) continua. Por enquanto, tenho me apaixonado em escrever (e ler) histórias. Acredito que seja esse o tema único a todos nós: histórias sobre semelhantes, que nos façam ver que estamos todos no mesmo barco.

_____________________

Texto publicado originalmente no Epic Shit.

Anúncios

3 Respostas para “Escrever o que?

  1. Quando começei a blogar, já havia em mim o intuito de ser escritora há muito tempo. Entretanto, o blog parecia o único recurso que eu tinha de, timidamente, treinar a escrita e esperar pela reação das pessoas. Hoje o medo é menor – e essa questão já não me aflige tanto.
    A questão maior é título de conto de Caio Fernando Abreu – A Quem Interessar Possa: que público um escritor deseja atingir? Mesmo quando se escreve em diário, ao qual apenas os olhos do próprio autor estão destinados à leitura, ainda assim, se quer atingir um público determinado.
    Eu gosto de crônicas. Sobretudo crônicas. Gosto da vida das pessoas, de relatos minuciosos de situações várias, de infância bem contada, crônicas de jornal e revista, motivações. Crônicas são inspiradoras – e eu não consigo fazer de outro jeito.
    Abraço.

  2. E todas as possibilidades são bem-vindas. A literatura também se faz através de diferentes gostos. Entretanto, é errado afirmar que a literatura de hoje possui cultura inferior à de antigamente. Nenhuma cultura é inferior. É o mundo que evolui e a literatura, de fato, está mais concisa, mais clara, mais abrangente – e humorística.
    Abraços (sempre é bom “prosear” por aqui).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s