As ilhas dobram por ti

Vi esse vídeo chamado “Island” e deu aquela vontade de ser feliz. “Mas você não é feliz, cara?”, me perguntam. Sou, mas essa é a frase de um amigo para expressar aquele sentimento quase melancólico quando se vê um pôr do sol incrível, majestoso, que traz a sensação de faltar algo. “Bate uma vontade ser feliz, saca?”, diz ele. E concordo.

Então fui procurar aquele poema que faz referência a “nenhum homem ser uma ilha isolada”. É do John Donne, poeta inglês que nasceu no século 16 e morreu no 17. [Quando escreverem sobre mim — quanta pretensão — gostaria que também dissessem que sou filho de dois séculos. Mas divago]. Fui ler o poema [original] e lembrei que já havia lido-o outras vezes, claro, mas uma em especial: quando tive contato com a obra de Hemingway e me apaixonei por seus textos. O primeiro livro que li dele foi “Por quem os sinos dobram”, frase retirada justamente desse poema do John Donne.

E quando penso em ilhas minha cabeça se inunda com as palavras d’O Conto da Ilha Desconhecida, livro de José Saramago, sobre um cidadão de um certo reino que queria ir em busca das ilhas ainda não descobertas. “Mas todas as ilhas foram descobertas, estão no mapa”, retruca o rei, que atendia pedidos da população e não queria ceder um barco ao aventureiro. “Todas, não. A ilha desconhecida ainda não foi encontrada”, diz o personagem.

Assisti ao vídeo, quis filmar minha esposa, bateu uma vontade de ser feliz, pensei em meu amigo, em meus amigos, lembrei de Hemingway e meu pai [responsável por me apresentar ao autor], pensei em como criamos nossas ilhas, como nos fazemos ilhas e nessa brincadeira sobrou um tantinho de terra até para a 3ª margem do rio.

De repente, tudo fez sentido.

Nenhum homem é uma ilha, sozinha; todo homem faz parte do continente, parte de outra terra; se um pedaço for levado pelo mar, a Europa diminui, como se fosse um monte, ou a casa de um de teus amigos ou até mesmo a tua; a morte de qualquer homem me diminui, porque faço parte da humanidade; assim, nunca perguntes por quem os sinos dobram: eles dobram por ti.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s